Campeonato Alagoano (2007-2023)

A importância da transmissão audiovisual do Campeonato Alagoano de futebol masculino (2007-2023): padrões tecnoestéticos e incentivo ao torcer a times locais

Anderson David G. dos Santos (UFAL – Edital Pibic/UFAL/CNPq 2022-2023)

O futebol mobiliza uma grande quantidade de aficionados, que movimentam uma quantidade ainda maior de empresas interessadas por alguma das esferas econômicas que marcam a sua prática. Diversos autores mostram que um aspecto que mantém essa paixão cotidiana é seguir os clubes, com Damo (2005) destacando que o ato de torcer se assemelha ao “pertencer”.

Para essa manutenção do ato de torcer, há a possibilidade de acompanhar os clubes no estádio ou a partir da transmissão dos jogos por plataformas audiovisuais. Aqui o nosso interesse vai ser pela mediação tecnológica para o acesso às partidas, considerando, inclusive, a demonstração prática durante a pandemia da Covid-19 de que o futebol profissional contemporâneo até sobrevive sem o público no estádio, mas não sem a midiatização dos seus campeonatos. Isso ocorre pela relevância da receita direta da transmissão ou outras geradas a partir da visibilidade daí decorrida.

A opção pela análise do Campeonato Alagoano de futebol masculino se dá a partir de dois pontos contextuais importantes: o formato peculiar da implantação deste esporte no território brasileiro e como os “grandes centros” do futebol reproduzem as desigualdades econômicas territoriais. O reflexo disso é que alguns clubes têm mais possibilidades de disputa de campeonatos nacionais e torcida espalhada para além de suas cidades originais.

Quando as transmissões audiovisuais dos jogos ganham a regularidade que conhecemos hoje, as partidas transmitidas eram com a presença de times de Rio de Janeiro e São Paulo, fossem torneios estaduais, nacionais ou internacionais. Além de um histórico de transmissão radiofônica de times do Rio de Janeiro desde a década de 1940.

Analisar a transmissão midiática é importante porque “uma das condições para um clube ter sucesso esportivo e econômico é ter uma grande torcida” (CAMPOS, 2020, p. 116), pois é o engajamento dessa torcida que se torna capital relevante para adquirir mais receitas.

A difusão do futebol pelo território brasileiro passou por peculiaridades condicionadas especialmente pela dimensão territorial do país, em comparação com outros da América do Sul e da Europa em que o futebol também é elemento cultural importante. Segundo Mascarenhas (2014, p. 145): “Verifica-se, então, um caso atípico, no qual o futebol penetra no território nacional quase simultaneamente por vários pontos desconectados entre si (os conectados com o exterior), como incursões independentes no movimento conjunto da difusão”.

Esse processo leva à existência de uma lógica de futebol profissional que se inicia a partir de campeonatos estaduais, com o primeiro torneio nacional surgindo apenas em 1959 e pela necessidade de indicar clubes para a disputa da então criada Taça Libertadores da América.

Desta forma, os campeonatos estaduais construíram – já antes da criação de um campeonato nacional – grandes disparidades entre clubes e estados que, com raras exceções, perduram até os dias de hoje. Tal disparidade tem íntima ligação com processos de concentração de capital político, e sobretudo econômico, no espaço brasileiro (CAMPOS, 2020, p. 5).

Em tempo que, a partir dos torneios nacionais, há uma “clara predominância – no que tange a participação nos principais campeonatos, títulos e torcida – de clubes de grandes cidades/metrópoles” (CAMPOS, 2020, p. 2). Assim, a constituição de torcedores de times em estados como Alagoas se constituir historicamente de maneira menos desenvolvida que a desses clubes (SANTOS, 2021).

O Campeonato Alagoano de futebol masculino tem sua primeira edição em 1920 e passa a ser transmitido em audiovisual (TV aberta e/ou plataformas de internet) a partir de 2007, com alguns jogos de torneios nacionais (Séries A e B e Copa do Brasil) com transmissão também pela TV aberta desde aquele momento, algo que não era tão comum. Em 2005 e 2006, a TV Pajuçara (então afiliada do SBT) transmitiu apenas as finais da competição, mas a partir de 2007 exibiu um jogo por rodada do torneio – segundo Santos (2021a), enquanto afiliada da Rede Record, que tentou concorrer com o Grupo Globo na transmissão desse programa midiático. É justamente em 2007, conforme Souza (2007) que surgem movimentos para torcer apenas para um time local, caso do “CRB Meu Único Time”.

A transmissão do estadual pela TV Pajuçara dura até 2014. No ano seguinte, a TV Gazeta, afiliada da Rede Globo, passa a exibir o torneio, algo que vai seguir até o ano de 2019, justamente quando o CSA disputa o principal torneio nacional, a Série A do Campeonato Brasileiro. Antes disso, ASA e CRB jogaram (juntos ou separados) a Série B nacional, mas um time local chegar ao torneio mais relevante auxiliou numa questão de difusão e representatividade muito importante. Conforme Estavillo (2008, p. 86, tradução nossa):

Uma equipe contribui para melhorar a imagem e a reputação externas da cidade, fomenta orgulho cívico, além de reforçar o espírito comunitário e a consciência de identidade local-regional. A obtenção de triunfos desportivos é um meio eficaz de projeção exterior e isso, por sua vez, tem uma indubitável repercussão positiva não apenas em termos simbólicos, senão também no terreno econômico[1].

Em paralelo à transmissão pela TV aberta, de 2015 a 2018 o Esporte Interativo transmite nos seus canais na TV fechada e no aplicativo de streaming EI Plus o Campeonato Alagoano. Isso ocorre, segundo Santos e Bolaño (2017), em meio a uma estratégia de mercado para difundir torneios com pouca repercussão, evitando ainda a concorrência para adquirir os direitos de transmissão.

A partir de 2016, a Federação Alagoana de Futebol passou a transmitir pela internet (YouTube e, depois, MyCujoo/Eleven Sports) os jogos que não tinham exibição na TV aberta ou pelo Esporte Interativo, reproduzindo ainda os jogos da final.

A compreensão de como isso se dá interessa aos estudos do subcampo da Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (EPC) por se tratar de um objeto de estudo, um programa midiático, popular. Isso pode auxiliar a difusão de um eixo teórico-metodológico crítico, que estuda as “as relações de produção capitalistas relativas à estrutura dos sistemas de mediação social, tendo por pressuposto o desenvolvimento das forças produtivas” (BOLAÑO; BASTOS, 2020, p. 177). Afinal, trata-se de “de uma mercadoria cuja fidelidade da audiência garante a atenção do mercado publicitário, tratando-se de um bem cultural simbólico de profunda importância” (BRITTOS; SANTOS, 2011, p. 2).

Dentro dos conceitos desse subcampo está o de “padrão tecnoestético”, entendido pela EPC como uma barreira de mercado importante para delimitar a concorrência nos mercados infocomunicacionais. Desenvolvido por Bolaño (2000), trata-se de produção e distribuição de conteúdo como o elemento fundamental a ser construído, desde que garanta identidade e boa reputação à empresa, de maneira a conquistar o consumidor.  Este padrão representa:

[…] uma configuração de técnicas, de formas estéticas, de estratégias, de determinações estruturais, que definem as normas de produção cultural historicamente determinadas de uma empresa ou de um produtor cultural particular para quem esse padrão é fonte de barreiras à entrada no sentido aqui definido (BOLAÑO, 2000, p. 235).

A partir deste contexto histórico e teórico, esta pesquisa tem como objetivo identificar os efeitos da transmissão audiovisual dos jogos do Campeonato Alagoano de Futebol masculino para os clubes alagoanos dessa prática esportiva, partindo da análise do padrão tecnoestético de transmissão e da verificação dos efeitos dessa transmissão para a maior identificação torcedora.

Trabalha-se como hipótese da pesquisa que: A transmissão de jogos por plataformas audiovisuais de difusão de conteúdo amplia as receitas e gera maior afeição torcedora aos clubes de futebol alagoanos.

Estudar o futebol se justifica especialmente pela necessidade de compreensão de uma prática de entretenimento e de lazer muito relevantes, quando se trata do acompanhamento do futebol profissional masculino. Isso ocorre na esteira de aumento de trabalhos a partir deste objeto de estudo especialmente a partir dos megaeventos esportivos no Brasil – dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007, aos Jogos Olímpicos de Verão do Rio de Janeiro em 2016.

Ao mesmo tempo que faz parte de um projeto de pesquisa amplo, de maior fôlego do coordenador (SANTOS, 2019; 2021a; 2021b) de estudar a apropriação midiática do futebol como elemento importante de estudo ao observar que o acesso às partidas se dá a partir da mediação de uma plataforma tecnológica, desde o rádio até as plataformas de streaming ou de reação a vídeos de melhores momentos. Considerado um conteúdo social relevante por leis de diferentes países, como apresentado por Santos (2021b) para tratar de Argentina, Uruguai, México e Espanha, levantar os diversos efeitos positivos disso também pode auxiliar os diferentes agentes envolvidos, incluindo o público torcedor.

Quando se trata de algo ocorrido num Estado na periferia socioeconômica do país, a análise ganha importância também pelo caráter inédito no acompanhamento a partir desse objeto de estudo específico e, consequentemente, espera-se que se apresente resultados que possam auxiliar no melhor entendimento sobre as contradições e as melhorias necessárias para aprimorar a difusão enquanto programa/mercadoria.

Isso pode ser relevante para dar visibilidade para a UFAL, frente ao crescimento das pesquisas e redes de pesquisa em futebol. Em especial para a Unidade Educacional Santana do Ipanema, que pode vir a ser reconhecida como um polo importante de pesquisa numa perspectiva ligada à Economia Política da Comunicação aplicada ao futebol. Dada a sua perspectiva interdisciplinar, os resultados que podem ser apresentados em diversos eventos e com possibilidade de publicações em periódicos científicos.

Espera-se contar com estudantes de Ciências Econômicas e/ou Ciências Contábeis da Unidade Educacional Santana do Ipanema, mas também com algum estudante de outro(s) curso(s), especialmente de Jornalismo ou Relações Públicas, mesmo que de outro campus. O diálogo interdisciplinar é entendido como fundamental para a construção científica, possibilitando maior diversidade nas leituras e, também, na relação para as discussões coletivas.

Para os estudantes de graduação envolvidos no projeto, há ainda a importância de ter o primeiro acesso à pesquisa científica com um acompanhamento próximo do coordenador e com um planejamento previamente realizado. Espera-se que a experiência com uma investigação científica a partir de um objeto de perfil interdisciplinar, mas local, auxilie no desenvolvimento de todos os processos relativos ao conhecimento sobre métodos e prática de pesquisa.

2. OBJETIVOS

– Objetivo geral:

Identificar os efeitos da transmissão audiovisual dos jogos do Campeonato Alagoano de Futebol masculino para os clubes alagoanos.

– Objetivos específicos:

– Realizar levantamento do histórico da transmissão do Campeonato Alagoano de futebol masculino;

– Analisar o impacto econômico da transmissão do Campeonato Alagoano de futebol masculino para os clubes locais;

– Avaliar o padrão tecnoestético da transmissão dos jogos do Campeonato Alagoano de 2023 e nas finais das edições anteriores a partir da qualidade técnica da transmissão, mas também de fatores de identificação local;

– Levantar a opinião de torcedores de clubes alagoanos sobre a importância de ver seus clubes terem jogos exibidos em audiovisual.

3. MÉTODO CIENTÍFICO

Trata-se de pesquisa básica que tem como método de abordagem o dedutivo, por considerar a necessidade de contextualizar, a partir de revisão de literatura, a importância da transmissão audiovisual do futebol para a receita dos clubes, de forma direta ou pela exposição e adesão das pessoas enquanto torcedoras, para, em seguida, chegar ao estudo de caso do Campeonato Alagoano de Futebol.

Constitui-se como pesquisa qualiquantitativa a partir de métodos histórico, descritivo, comparativo e estatístico, pois serão utilizadas estatísticas descritivas simples para análise e comparação de alguns dados numéricos, mas com análise qualitativa.

A pesquisa bibliográfica é considerada como elemento fundamental em qualquer investigação científica. Esse tipo é importante para determinar o modelo teórico inicial, as variáveis e o plano geral da pesquisa, de maneira que “propicia o exame de um tema sob novo enfoque ou abordagem, chegando a conclusões inovadoras” (MARCONI; LAKATOS, 2003, p. 183).

A base teórica utilizada partirá dos estudos de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (EPC) sobre o futebol, partindo de uma análise mais geral sobre mercantilização do esporte (SANTOS, 2014a; 2014b; 2021b), passando por objetos mais específicos que tratam da transmissão de futebol (SANTOS, 2019) ou da cobertura esportiva (OSELAME; FINGER, 2013; FIGUEIREDO SOBRINHO; SANTOS, 2020; TELLES, 2020) e também o específico sobre torcer em locais periféricos quanto à prática profissional do futebol (CAMPOS; TOLEDO, 2013; VASCONCELOS, 2014; CAMPOS, 2020; LIMA; SANTOS, A. M.; SANTOS, A. D., 2021; e, SANTOS, 2021a).

Agrega-se como procedimento para coleta de dados a pesquisa documental em fontes secundárias (sites noticiosos, de clubes e da Federação Alagoana de Futebol) e observação direta extensiva a partir da aplicação de questionários.

Buscar-se-á ainda na coleta de dados as evidenciações contábeis de ASA, CSA e CRB que, no período recortado, estejam disponíveis de forma digital para, a partir dos dados disponibilizados, verificar a importância diretamente econômica da transmissão audiovisual de suas partidas.

O recorte temporal de análise vai de 2007 a 2023, considerando que são edições em que todo o torneio estadual foi transmitido em audiovisual. Faremos pesquisa exploratória de análise do padrão tecnoestético da transmissão para observar elementos como: quantidade de câmeras e direção de imagens; variações no estilo de transmissão na direção de uma cobertura esportiva ao vivo pelo infotretenimento – em que a informação pode ser sobreposta ao entretenimento (FIGUEIREDO SOBRINHO; SANTOS, 2020); marcadores locais na narração, na reportagem e nos comentários; e divulgação de patrocinadores da transmissão e do torneio.

Por considerar a possibilidade de problemas no acesso gratuito aos jogos antigos, tomaremos como referência as transmissões do último jogo, grande final, nas edições de 2007 a 2022, disponíveis no YouTube e na plataforma de streaming Eleven Sports – com tentativa de conseguir os vídeos que, porventura, faltem, com as empresas que transmitiram, federação ou empresas de clipagem (com possíveis custos assumidos pelo coordenador). Para 2023, além da grande final, será feito um recorte de 10 dos 34 jogos para análise própria, contando a grande final, mas cujos demais serão definidos apenas após a divulgação da tabela da competição e da respectiva transmissão por plataforma digital.

Propõe-se utilizar a Análise de Conteúdo para o que se tratará dos marcadores de linguagem oral na transmissão das partidas. A Análise de Conteúdo tem como objetivo, segundo Bardin (2009, p. 44), “obter por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens”.

A utilização da comparação enquanto método numa perspectiva histórica possibilitará “verificar similitudes e explicar divergências” (MARCONI; LAKATOS, 2003, p. 107). Ao mesmo tempo em que as variáveis de análise podem ser reconstruídas no processo de pesquisa bibliográfica sobre o tema, de maneira que teremos casos semelhantes em nível e escala de análise (um mesmo torneio, mas em anos diferentes) e será possível construir equivalências válidas, evitando simples causalidades, nos deixando distantes das preocupações demonstradas por Oliveira e Paulino (2017) para estudos comparativos nas Ciências Sociais.

Será realizada ainda pesquisa de opinião a partir de questionário em plataforma digital, pela maior possiblidade de difusão, para coletar uma amostra de opiniões de torcedores de clubes alagoanos sobre a importância da transmissão audiovisual do torneio em 2023, especialmente, com algumas questões mais amplas sobre possível maior interesse a partir do histórico de exibição das partidas desse torneio. Os dados da pesquisa serão decupados e apresentados a partir de estatísticas descritivas simples.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edição 70, 2009.

BOLAÑO, C. R. S. Indústria Cultural, Informação e Capitalismo. São Paulo: HUCITEC, 2000.

BOLAÑO, C. R. S. Mercado Brasileiro de Televisão. 3. ed. São Cristóvão: Obscom/Cepos, 2016.

BOLAÑO, C. R. S. O enfoque neo-schumpeteriano de concorrência e o mercado de televisão. Intercom – Rev. Bras. de Com., São Paulo, ano 14, n. 65, p. 38-48, jul./dez. 1991.

BOLAÑO, C.; BASTOS, M. D. Um pensamento materialista em comunicação. In: BIANCO, N. R.; LOPES, R. S. (Orgs.). O Campo da Comunicação: Epistemologia e Contribuições Científicas. São Paulo: Socicom Livros, 2020. p. 165-187.

BRITTOS, V. C. As barreiras à entrada dos processos televisivos. Revista Diálogos Possíveis, v. 4, n. 1. p. 75-88, 2005.

BRITTOS, V. C. Capitalismo contemporâneo, mercado brasileiro de televisão por assinatura e expansão transnacional. 2001. 425f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Culturas Contemporâneas, Universidade Federal da Bahia – UFBA, Salvador, BA, 2001.

BRITTOS, V. C. Digitalização, democracia e diversidade na fase da multiplicidade da oferta. In: _______ (Org.). Digitalização, diversidade e cidadania: convergências Brasil e Moçambique. São Paulo: Annablume, 2009. p. 17-30.

BRITTOS, V. C. Digitalização e democratização: produção de conteúdo nacional e padrão tecno-estético alternativo. In: SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS. Produção de conteúdo nacional para mídias digitais. Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos, 2011. p. 111-127.

BRITTOS, V. C.; MENEZES, E. S. de. Do vídeo popular às especificidades do padrão tecno-estético alternativo. Eptic, São Cristóvão, v. 13, n. 3, p. 1-17, set.-dez. 2011.

BRITTOS, V. C.; SANTOS, A. D. G. dos. Por uma EPC voltada ao futebol. In: CONGRESSO MUNDIAL DE COMUNICAÇÃO IBERO-AMERICANA, 1, São Paulo, 2011. Anais do I Congresso Mundial de Comunicação Ibero-Americana. São Paulo: Confibercom, 2011.

CAMPOS, F. R. G. Geografia do futebol das cidades médias brasileiras: relações entre sucesso esportivo e características urbanas. Terr@Plural, Ponta Grossa, v.14, p. 1-21, e2013294, 2020.

CAMPOS, Flávio de; ALFONSI, Daniela. Futebol objeto das Ciências Humanas. São Paulo: Leya, 2014.

CAMPOS, F. de; TOLEDO, L. H. de. O Brasil na arquibancada: notas sobre a sociabilidade torcedora. Revista USP, n. 99, p. 123-138, set.-nov. 2013.

DAMO, A. S. Do dom à profissão: Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. 2005. 435f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ESTAVILLO, M. E. Futbol y competencia en los medios de comunicación. In: ROEMER; GHERSI (comps.). ¿Por qué amamos el futbol? Un enfoque de política pública. México: Miguel Ángel Porrúa, 2008.

FIGUEIREDO SOBRINHO, C. P.; SANTOS, A. D. G. dos. Do jornalismo esportivo ao infotretenimento: o caso do contrato entre Neymar Jr. e Globo como paradigma. COMUNICACAO, MIDIA E CONSUMO, v. 17, p. 322-343, 2020.

GONZAGA, T. Estudo indica: times de Maceió não conhecem comportamento de torcedores. UFAL, Maceió, 05 nov. 2018. Disponível em: https://ufal.br/ufal/noticias/2018/11/estudo-indica-times-de-maceio-nao-conhecem-comportamentode-torcedores. Acesso em: 10 maio 2022.

LIMA, B. H.; SANTOS, A. M. A.; SANTOS, A. D. G. UMA ANÁLISE DOS FATORES ASSOCIADOS À RECEITA DOS JOGOS DE FUTEBOL DO CAMPEONATO ALAGOANO NOS ANOS DE 2009 A 2019. In: XIX Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, XIX ENABER, 2021, (Virtual). Anais do XIX Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, XIX ENABER. São Paulo: Enaber, 2021. p. 1-17.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas 2003.

MASCARENHAS, Gilmar. Entradas e bandeiras: a conquista do Brasil pelo futebol. Rio de Janeiro: Eduerj, 2014.

OLIVEIRA, M.; PAULINO, F. O. Serviço Público de Média em Portugal e no Brasil: Problemas e desafios da pesquisa comparada. Sobre jornalismo, v. 6, n. 2, p. 56-67, 2017.

OSELAME, Mariana; FINGER, Cristiane. Entre a Notícia e o Infoentretenimento: um modelo nacional de jornalismo esportivo imposto aos programas locais. Ciberlegenda, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 61-73, dez. 2013.

RAYCHTOK, A. A mídia e as torcidas mistas no futebol do Nordeste. 55f. Monografia (Graduação em Comunicação Social/ Jornalismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Escola de Comunicação – ECO. Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, A. D. G. dos. A identidade torcedora alagoana no século XXI: CSA, CRB e ASA na tela, no campo e nas pesquisas. In: HELAL, R.; COSTA, L.; FONTENELLE, C. Fontenelle. (Org.). Esporte, mídia, identidades locais e globais: uma produção do Seminário Copa América. Rio de Janeiro: Autorale; Faperj, 2021. p. 238-251. 2021a

SANTOS, A. D. G. dos. Os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de Futebol. Curitiba: Ed. Appris, 2019.

SANTOS, A. D. G. dos. Os três pontos de entrada da economia política no futebol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 36, p. 561-575, 2014. 2014a

SANTOS, A. D. G. dos; BRILHANTES, D. A fase da multiplicidade da oferta na indústria cultural e no futebol. Revista Mediação, Belo Horizonte, v. 16, p. 45-60, 2014.2014b

SANTOS, A. D. G. dos. Um modelo para regulação dos direitos de transmissão de futebol. 2021. 461 f., il. Tese (Doutorado em Comunicação) — Universidade de Brasília, Brasília, 2021. 2021b

SANTOS, Anderson David Gomes dos; BOLAÑO, César Ricardo Siqueira. Las estrategias de mercado de Esporte Interativo: regionalización y capital extranjero en la televisión brasileña. Chasqui. Revista Latinoamericana de Comunicación, n. 133, p. 283-296, dez. 2016-mar. 2017.

SANTOS, I. S. da C.; SANTOS, A. D. G. A invenção do “Nordestão” e o futebol-arte: Investigações a partir do Jornal dos Sports. In: Ronaldo Helal; Felipe Mostaro. (Org.). Narrativas do Esporte na Mídia: Reflexões e Pesquisas do Leme. Curitiba: Editora Appris, 2020. p. 115-130.

SOUZA, A. L. de. O torcer misto em Maceió. In: REUNIÃO EQUATORIAL DE ANTROPOLOGIA, V; REUNIÃO DE ANTROPÓLOGOS NORTE E NORDESTE, XIV, 2015, Maceió. Anais… Maceió: UFAL, 2015.

TELLES, M. O ‘Padrão Globo de Jornalismo Esportivo’ dez anos depois: problematizando um consenso. FuLiA, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 96-118, ago. 2020. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/16140/1125613467. Acesso em: 24 maio 2022. doi: http://dx.doi.org/10.17851/2526-4494.5.1.96-118.

VASCONCELOS, A. A. de. “Eu Tenho Dois Amores que em Nada São Iguais”: Bifiliação Clubística no Nordeste. Ponto Urbe – Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, v. 14, 2014.